Posted tagged ‘Empreendedor’

Inteligência Emocional é fator de sucesso

14 de fevereiro de 2012

Imagem meramente ilustrativa

Inteligência Emocional é fator de sucesso

Quem já leu o livro “A Inteligência Emocional” do psicólogo Daniel Goleman sabe que 90% da diferença entre as pessoas que alcançam sucesso pessoal e profissional, e aquelas com desempenho médio, se dá devido fatores relacionados ao controle das reações emocionais.

As empresas de grande porte já perceberam a importância de ter profissionais com controle emocional que vão além das competências técnicas. Isso explica um profissional “competente” que, por extrema dificuldade de relacionamento, é desligado da empresa, ou perde um cargo de chefia, por exemplo.

Para os casos de empreendedores que pretendem manter sociedade a falta de trato pessoal pode levar um negócio promissor à falência. Gestores com nível de inteligência emocional pequeno não conseguem manter um bom clima organizacional, o que reflete no bom andamento do negócio.

A seguir você confere o conjunto de competências que juntas podem ser chamadas de Inteligência Emocional. Veja o que você precisa desenvolver e corra atrás do seu sucesso.

  • Autopercepção: Capacidade das pessoas conhecerem a si próprias, sem máscaras, frente às situações de sua vida social e profissional.
  • Autocontrole – Habilidade de gerir as emoções, estado de espírito e humor.
  • Automotivação – Capacidade de motivar a si mesmo e realizar as tarefas e ações necessárias para alcançar suas metas, à revelia de qualquer adversidade.
  • Práticas sociais – Capacidade de relacionamento interpessoal e de trabalho em equipe.
  • Empatia – Habilidade de comunicação interpessoal de maneira espontânea. Também leva em conta a capacidade de harmonizar-se com os demais.

 

Anúncios

Mercado de informática é um dos que mais cresce em Belém

16 de dezembro de 2011

Imagem meramente ilustrativa

Em um mundo informatizado negócios na área de tecnologia podem ser lucrativos, até um dos mais lucrativos do momento. A cada dia um número maior de pessoas dependem de aparatos tecnológicos, enquanto as empresas precisam de estruturas de informática para operarem com qualidade.

O mercado de tecnologia está aquecido em todo o mundo, os conglomerados lançam novos produtos a cada mês, concorrem pelo lançamento mais útil e criam necessidades para o consumidor.  Segundo pesquisa de intenção e realização de compra, realizada pela Interpreta, o mercado de informática é um dos que mais cresce em Belém. Há dois anos, 10% da população tinha interesse em comprar algum item de informática, hoje a intenção de compra é de aproximados 20%.

Pra quem pensa em investir nessa área os serviços de manutenção podem ser uma boa, levando-se em conta o investimento baixo. Com 15 mil é possível montar uma pequena empresa com duas máquinas, um excelente servidor e uma pequena central telefônica. Nesse caso o maior desafio é encontrar mão de obra qualificada.

Para empresários de empresas do ramo tecnológico é importante ter em vista que o consumidor, ao entrar na loja deve ser muito bem orientado. Os vendedores precisam entender do assunto e passar segurança para o cliente. Outra boa estratégia é oferecer também, na própria loja, serviço de manutenção, já que cliente que entra para fazer um reparo no sistema acaba levando algum acessório.

Negócio Saudável

16 de setembro de 2011

Arthur Espíndola

Arthur Espíndola, músico, compositor e criativo nato, hoje também é empresário. Há dois anos, quando morava no Rio de Janeiro, observou uma necessidade de consumo e teve uma ideia. Hoje ele é dono da Sala da Fruta, uma casa de lanches e bebidas naturais que funciona em Belém.

Tudo começou com uma bolada que Arthur recebeu por composições que havia feito. Com o dinheiro em mãos decidiu abrir um negócio para fazer render. Ele percebeu que em cada esquina de cidades litorâneas tem um estabelecimento para quem quer uma alimentação saudável. Decidiu inovar trazendo a ideia de um negócio saudável para Belém. E muito embora Belém não tenha praia, tem muito calor e gente de sobra preocupada com a boa forma do corpo.

A ideia inicial era abrir um quiosque em um dos Shoppings da cidade das Mangueiras, onde as pessoas pudessem montar sua própria salada de frutas, mas a proposta não foi muito bem aceita pelas empresas. Sem desanimar Artur encontrou um ponto bem localizado, próximo a uma das maiores praças da cidade e cercado por academias de ginástica.

Hoje, funcionando a todo vapor, a Sala de Fruta é um misto de opções pra quem quer um lanche saudável. O cardápio oferece salada de fruta, aquele famoso guaraná paraense que encontramos nas ruas – só que com aprovação da vigilância sanitária – tortas que ele mesmo inventou, frozen, além de salgados vegetarianos. Em um ano e meio Artur já teve o retorno do investimento.

O jovem empresário sabe que muito embora as pessoas busquem cada vez mais uma vida saudável, Belém ainda está entrando na onda. Em função disso ele dedica-se ao seu público com uma equipe de ótimas funcionárias e realiza divulgações estratégicas. Mantém parcerias com 20 academias,  realiza ações em consultórios médicos e agora implantou serviço de entrega – para quem deseja pedir um lanche saudável e gostoso no trabalho, por exemplo.

Hoje o empreendimento tem um público fiel e o movimento cresce a cada dia. Artur tem certeza que apostou na ideia certa e garante que não tem pressa de expandir o negócio porque entende que esse é o processo natural. Ele sabe que a Sala da Fruta está no caminho correto e acredita que criatividade é essencial para quem quer empreender.  “Acho que quem quer abrir um negócio tem que ser inventivo. Você precisa entender o que as pessoas precisam”, diz ele.

Interpreta Recomenda: Startup Brasil

12 de setembro de 2011

Imagem meramente ilustrativaAbrir uma empresa não é tarefa fácil e mais difícil ainda é mantê-la.  Hoje, embora o Brasil tenha indicadores crescentes sobre empreendedores, de 10 empresas que se lançam no mercado seis fecham as portas antes de completar cinco anos. As marcas que alcançam o topo do business tem por trás as mãos de quem soube usar ingredientes certos.  

Startup é um livro que fala também do sonho, mas principalmente da realização, trazendo histórias de empreendedores brasileiros que hoje são exemplos de sabedoria nos negócios. O livro, escrito por Marina Vidigal e Pedro Mello, traz os fundadores de empresas como O Boticário, Cacau Show, Agência Click, dentre outras milionárias brasileiras.

O livro começou a partir de estudos sobre o comportamento do empreendedor brasileiro para o programa “Fiz do Zero”, que fazia parte da programação da extinta IdealTV, canal de negócios da editora Abril. Vale a pena ler e aprender com quem já chegou lá. Você encontra a obra na web por R$39,90.  

Como identificar seus concorrentes

25 de abril de 2011

Para se manter no mercado altamente competitivo e movimentado como o de hoje é necessário muito mais do que atenção. É preciso que se faça um estudo contínuo do ambiente o que inclui acompanhamento constante de seus concorrentes. No entanto, está cada vez mais difícil identificar os concorrentes em função da diversidade de produtos e serviços. Diante dessa realidade, algumas dicas são importantíssimas. Tome nota e saia na frente.

Quem é meu concorrente direto?

Concorrente direto é quem vende a mesma linha de produtos para um mesmo público alvo. O concorrente direto possui produtos e serviços que atendem necessidades iguais àquelas para as quais os seus produtos e serviços são orientados. O concorrente direto também tem como foco o mesmo perfil de clientela.

Quem é meu concorrente indireto?

É quem não vende a mesma linha de produtos, mas atinge seu público alvo. Este é o seu concorrente indireto, porque ele tira o seu cliente do foco da compra do seu produto. Por exemplo, um financiamento de imóvel facilitado pode fazer que o cliente deixe de comprar um automóvel.

O que fazer para lidar com a concorrência?

Seja cliente do seu concorrente. Esteja por dentro de tudo o que ele faz. Qual o preço; como é seu Ponto de Venda; o que ele tem feito acerca de comunicação. Compreender o mercado é estar de olhos bem abertos e com visão 360º.

Case de Sucesso: Fernando Portela

18 de abril de 2011

Fernando Portela em viagem ao Peru

Fernando Portela é o que podemos chamar de um empreendedor de sucesso. Proprietário e fundador da Refrivel, empresa de refrigeração de veículos com marca consolidada no mercado paraense, ele tem uma história de muita determinação, o que hoje lhe permite ser exemplo no mundo dos negócios.  Dono de uma seriedade bem humorada, Fernando tem boas sacadas e conversando com ele por alguns minutos qualquer um percebe seu largo tino comercial. Embora tenha nascido com felling pros negócios Fernando não dispensa a informação como arma e prova isso quando fala com muito carinho a respeito da promissora classe C brasileira. As dicas de Fernando são dignas de muitas e muitas notas e se você pensa em abrir o seu negócio vale muito a pena conferir essa história:   

Blog: Como começou a sua vida como empreendedor?

Fernando: Vou tentar resumir a minha história. Sou de São Luís e vim pra cá com três anos de idade. Estou há 45 anos aqui e meu coração é paraense. Meu pai veio com uma representação e trouxe a família, então passamos a ter uma vida de classe média. Meus pais me deram condições socioeducativas, digamos assim, e fizemos uma rede de relacionamentos muito boa. Mas meu pai adoeceu e antes de falecer tivemos que nos desfazer de tudo. Ficamos só com a casa em que morávamos. Foi então que comprei uma motinho e fui ser vendedor de ferramentas elétricas. Depois, fui convidado para trabalhar com um amigo para vender grupogerador e de lá saí com outro convite de um outro amigo, que era pra entrar com ele em um negócio de acessórios e refrigeração de carros. 

Blog: Você era sócio?  

Fernando: Não. Eu era empregado dele. Gerenciava o negócio. Até que um dia começaram a surgir divergências de ideias. Eu comecei a ver um nicho – Veja bem, eu não tenho formação universitária. Mas acredito que quando você quer uma coisa você chega lá – Os caras simplesmente não vendiam pra fora. Se o serviço de instalação não fosse feito dentro da loja eles não vendiam. E eu não concordava com aquilo. Então comecei a guardar meu dinheiro e durante dois ou três anos fui comprando as minhas próprias ferramentas. Em 95 Chamei dois mecânicos e comecei na garagem. O negócio foi crescendo, crescendo e depois que os dois sócios saíram o negócio triplicou.  

Blog: Porque os outros saíram?

Fernando: Porque as ideias não convergiam mais. Eu queria facilitar, por exemplo, o pagamento e eles não. ”Você não tem dinheiro, então assina aqui”, eu fazia isso. E eu sou muito exigente também. Quando eu era empregado, se visse alguma coisa errada eu dizia, “ou tu contas, ou eu conto”. Por causa disso cheguei até a ser ameaçado. Nunca cheguei a brigar, mas ameaças não faltaram.

Blog: Hoje você é um homem de sucesso. Ao que você atribui esse sucesso?     

Fernando: Estrutura familiar. Devo a Deus, que se não fosse por ele eu não estaria aqui, ao meu pai, fico até emocionado quando falo dele. Queria muito que ele estivesse aqui. À minha mãe também.  E ah, a meu primeiro patrão, com quem aprendi muita coisa. Hoje, eu procuro fazer coisas que me acrescentem e indico isso pra todo mundo. Hoje vejo noticiários, documentários e é muito importante estar numa roda que te acrescente algo.  Às vezes você se aproxima de pessoas que além de não te acrescentarem nada ainda te sugam as energias.  

Blog: O que você acha que um empreendedor precisa ter pra chegar longe?  

Fernando: Bem, eu cheguei disposto a estudar o mercado. Estudei bastante, fiz muito curso do Sebrae, por exemplo. Pra você ter uma ideia, eu fui convidado para a primeira turma do Empretec.  Agora estou abrindo a Shineray, que é uma loja de motos, e meu público-alvo é a classe C. Eu gosto muito desse público. É um público que paga direitinho, sabe?  Eu fiz escola pra muita gente que saiu daqui e foi abrir uma loja como a minha. Mas tudo bem! O mercado é isso mesmo. O mercado tem que expandir. Eu fui a Parauapebas e vi uma oportunidade de negócio. Então coloquei meus melhores funcionários pra serem meus sócios lá. Eles estão muito bem agora, ganhando bem mais do que o mercado paga aqui. E o negócio lá ainda tem grandes perspectivas de crescimento.

Blog: E pra gente finalizar, que dica você daria pra quem quer começar um negócio?

Fernando: Tem que planejar muito. Planejamento e estudo. Vai lá ver! Vai verificar! Eu coloquei na ponta do lápis todos os gastos que eu teria no meu negócio, sabia tudo que ia gastar. No começo foi dificil, o cliente chegava e eu tava varrendo a loja. E até hoje se precisar eu varro mesmo, não tenho frescura. Também acho essencial o respeito pelo cliente, porque em qualquer negócio você vai lidar com ele. Aqui eu resolvo o teu problema. Ofereço garantia, bom atendimento e facilidade de pagamento. Acho que planejamento, seriedade e respeito são fundamentais. E muita, mas muita determinação mesmo.  

Brasil tem 1 milhão de empreendedores formais

7 de abril de 2011

O Brasil comemora a marca de 1 milhão de empreendedores formais. Isso significa que microempreendedores como Seu Nelson estão passando a contribuir para o desenvolvimento da economia do país.

A Presidenta Dilma Rousseff participará de cerimônia comemorativa entregando certificado ao empreendedor de número 1 e ao empreendedor de número 1 milhão. A meta do governo é chegar à marca de 1 milhão e 500 mil empreendedores até o fim de 2011.

Mais de 400 ocupações se enquadram no perfil de empreendedor individual. Entre eles estão o doceiro, o pipoqueiro, o borracheiro, o barbeiro, a manicure, o maquiador. Ao formalizar a atividade, o empreendedor ganha a proteção da Previdência Social.

O empreendedor individual pode trabalhar por conta própria no comércio, na indústria e na prestação de serviço e deve ter rendimento bruto anual de até R$ 36 mil, não ter sócio ou ser dono de qualquer outra empresa. Pode ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

A inscrição é feita exclusivamente pelo Portal do Empreendedor. Quem não tem computador, pode se cadastrar nos postos do Sebrae ou em parceiros do Empreendedor Individual, como as prefeituras e câmaras municipais.

Fonte: http://www.agenciasebrae.com.br/