Posted tagged ‘Negócios Pará’

Serviço”é o setor que mais gera empregos no Pará

2 de maio de 2012
Imagem meramente ilustrativa

Imagem meramente ilustrativa

Segundo o Dieese/PA o Setor “Serviço” no Pará continua sendo o maior gerador de empregos formais na economia do Estado. O Pará ainda lidera a geração de empregos no setor de serviços quando comparado com toda a região Norte.

No 1º trimestre de 2012 os números chegaram quase a 2.500 novos postos de trabalhos em todo o estado. Foram feitas neste período, no Setor,em todo o Pará25.324 admissões contra 22.844 desligamentos. Ou seja, um saldo positivo de 2.480 postos de trabalhos.

No mês de março foram feitas no Setor “Serviço” em todo o Pará 8.122 admissões contra 7.732 desligamentos.O que representa um saldo positivo de 390 postos de trabalhos.

Fonte: Dieese/PA

Pará continua na lista das 20 maiores redes de supermercado do país

9 de abril de 2012

Duas marcas de supermercado paraense continuam entre as 20 maiores redes de supermercados do país. Segundo o Ranking de 2012 divulgado na semana passada pelo portal Abras, são elas, “Y. Yamada S/A Comércio e Indústria” e “Líder Comércio e Indústria LTDA”. De acordo com o estudo da Abras em parceria com a Nielsen, o faturamento das 20 maiores empresas cresceu 20,7%, passando de R$ 115,8 bilhões, em 2010, para R$ 139,8 bilhões em 2011.

Segundo o Ranking as quatro primeiros colocados são Pão de Açúcar com faturamento de R$ 52,6 bilhões, Carrefour com R$ 28,7 bilhões,Walmart com R$ 23,5 bilhões e Cencosud com R$ 6,2 bilhões. A pesquisa na integra do Ranking Abras 2012 será publicada na edição de abril da Revista SuperHiper.

Fonte: http://www.abrasnet.com.br/

Criação Colaborativa na prática

8 de fevereiro de 2012

Casos de fenômenos que começam nas redes sociais são cada vez mais comuns. Assim como a produção de conteúdo, o consumo de mídia também mudou. É dessa maneira que as ideias se encontram, se difundem e viram algo novo. Agora, como aplicar esses conceitos nos negócios?

Na Grécia, por exemplo, uma marca de chocolate envolveu o público para a gravação de um VT. Desde o roteiro até o casting dos atores contou com a participação dos consumidores. Durante as filmagens do comercial as redes sociais eram atualizadas com as informações da criação.

Ação na paulista botou todo mundo pra fazer Yoga

Outra ação que teve um final feliz aconteceu no final do ano passado, em plena Avenida Paulista, quando o Coletivo Influenzadores colocou executivos de terno e gravata para meditar em posição de Yoga.  O objetivo da ação era fazer as pessoas repensarem a loucura do dia-a-dia.

Esses recursos envolvem o consumidor, criam envolvimento do alvo com a marca, o que resulta em um vínculo emocional. Permitir a participação do público humaniza, aproxima a marca. Para quem quer começar a testar os benefícios da criação colaborativa aí vão algumas ideias simples:

  • Crie uma ação propondo sugestões para logomarca;
  • Peça sugestão para um novo slogan;
  • Desenvolva três novas embalagens e peça para o público escolher a melhor;
  • Pense em ações que elevem o astral do seu consumidor, envolvendo dança e música, por exemplo.
  • Na próxima campanha programe uma forma de escolher um consumidor para estrelar  VT ou anúncio.

Tudo o que você queria saber sobre microfranquias

26 de janeiro de 2012

Imagem meramente ilustrativa

O que são microfranquias?

As microfranquias constituem opção de investimento para quem quer abrir um negócio com capital relativamente pequeno.

Qual a real situação deste setor no Brasil?

Segundo a Associação Brasileira de Franchising este setor cresceu 15% em 2011 se comparado a 2010, chegando a faturar valor superior a 3,9 bilhões. E a previsão de crescimento para 2012 é de 20%.

Quanto preciso ter de capital para abrir uma microfranquia?

Os valores são os mais variados. São consideradas “micros” franquias com investimento inicial de até R$ 50 mil.

Quanto posso lucrar?                            

Uma microfranquia tem faturamento mensal que gira em torno de R$ 30 mil reais.

Quais as melhores áreas para se investir?

  • Educação e treinamento
  • Beleza,
  • Saúde e produtos naturais
  • Negócios, serviços e conveniência
  • Cosméticos e perfumaria
  • Alimentação e serviços automotivos
  • Escolas de idiomas
  • Limpeza e conservação

Mercado de informática é um dos que mais cresce em Belém

16 de dezembro de 2011

Imagem meramente ilustrativa

Em um mundo informatizado negócios na área de tecnologia podem ser lucrativos, até um dos mais lucrativos do momento. A cada dia um número maior de pessoas dependem de aparatos tecnológicos, enquanto as empresas precisam de estruturas de informática para operarem com qualidade.

O mercado de tecnologia está aquecido em todo o mundo, os conglomerados lançam novos produtos a cada mês, concorrem pelo lançamento mais útil e criam necessidades para o consumidor.  Segundo pesquisa de intenção e realização de compra, realizada pela Interpreta, o mercado de informática é um dos que mais cresce em Belém. Há dois anos, 10% da população tinha interesse em comprar algum item de informática, hoje a intenção de compra é de aproximados 20%.

Pra quem pensa em investir nessa área os serviços de manutenção podem ser uma boa, levando-se em conta o investimento baixo. Com 15 mil é possível montar uma pequena empresa com duas máquinas, um excelente servidor e uma pequena central telefônica. Nesse caso o maior desafio é encontrar mão de obra qualificada.

Para empresários de empresas do ramo tecnológico é importante ter em vista que o consumidor, ao entrar na loja deve ser muito bem orientado. Os vendedores precisam entender do assunto e passar segurança para o cliente. Outra boa estratégia é oferecer também, na própria loja, serviço de manutenção, já que cliente que entra para fazer um reparo no sistema acaba levando algum acessório.

Venda de automóveis deve crescer cerca de 5% em 2012

9 de dezembro de 2011

Imagem meramente ilustrativa

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, a Anfavea, divulgou esta semana, dados referente à produção e vendas de veículos automotores este ano. Os números indicam que em novembro houve um crescimento de 14,6% nas vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Foram emplacados 321,6 mil carros no mês passado, contra 280,6 mil emplacamentos no mês de outubro. Até agora 3,285 milhões de veículos foram vendidos e o ano deve encerrar com a marca de 3,630 milhões de carros emplacados. Esses números são considerados positivos pelo mercado, pois ficarão acima das expectativas traçadas pela própria Anfavea para 2011.

As projeções de crescimento em vendas para o próximo ano estão em torno de 4% a 5%, ou seja, devem ser comercializados em 2012, entre 3,770 milhões e 3,810 milhões de automóveis.

Segundo dados do IBGE, nos últimos 10 anos a população brasileira cresceu perto de 15% enquanto o número de concessionárias cresceu quase 7 vezes mais. Assim crescem o número de concessionárias e consequentemente o número de revendas em atividade.

Em Belém, trabalhar nesse segmento é um desafio maior que em outros estados. Aqui, particularmente, a cidade possui uma das frotas de carros mais novas do país. No entanto, as revendas de automóveis locais têm que competir com as concessionárias de veículos 0 km, uma disputa nem sempre dada com as mesmas vantagens.

Como evitar problemas com o seu fornecedor

22 de agosto de 2011

Semana passada um dos assuntos mais comentado nas redes sociais do Brasil foi o caso Zara, em que a fornecedora da multinacional no Brasil mantinha pessoas trabalhando em condições de semi-escravidão. Um verdadeiro escândalo! Por sua vez, a Zara se defendeu declarando que em seu contrato constava a obrigatoriedade da fornecedora cumprir todas as leis trabalhistas brasileiras.

Entre os consumidores mais leigos a ligação da Zara é direta com o ocorrido, o que prejudica a boa imagem da marca. Acontece que nos dias de hoje só as regras do contrato não garantem a boa reputação de uma marca e a maioria das empresas, em todos os ramos de atuação, precisam de serviços e produtos de terceiros.

Mas como evitar que esse fornecedor crie problemas? Aí vão algumas dicas importantes pra você evitar crises:

• Realize programas de certificação e treinamentos com seus fornecedores. É uma forma de alinhar o trabalho do fornecedor com o conceito da marca;
• Faça constantes avaliações. É uma maneira poderosa de garantir a transparência no processo. Avalie o fornecedor e não dispense o uso de pesquisas pra saber se o consumidor está satisfeito;
• Exija transparência e seja transparente também. Utilize uma comunicação aberta com o fornecedor. Deixe extremamente claro o que você precisa dele.
• Evite mudanças constantes, mesmo que sejam para diminuir custos. O barato pode sair caro.

Se você tem interesse em conhecer uma iniciativa paraense que tem dado certo para administrar a relação com fornecedores, visite o site do PDF – Programa de Desenvolvimento de Fornecedores.